Resenhada: A Sereia – Kiera Cass

canva-photo-editor (32)

Estava eu plena atrás de algum livro leve, que não fosse denso em escrita, não falasse de assuntos cabulosos, e que tivesse um romance pra dar uma esquentada no coração (já que a vida não ta lá muito boa no setor, seguimos com a ficção fazendo seu papel, rs).
Pensei também que talvez seria interessante dar uma lida em alguma coisa que falasse de Sereias, e lembrei que em alguma Black Friday da vida eu havia comprado “A Sereia” da Kiera Cass (mesma autora de “A Seleção”). Pensei com os meus botões “why not?”.

canva-photo-editor (35)

Para quem não conhece, Kiera Cass é uma autora Americana que ficou conhecida pela série de “A Seleção”. Particularmente nunca senti atração em ler esta série, mas confesso que seu primeiro título publicado me chamou a atenção não só pela capa (que apesar de simples e clichê, é bem bonita), também me chamou muito a atenção pelo título. Quem me conhece sabe, sou total filha de Poseidon, e tudo que tem relação ou referências ao mar sempre me chama mega a atenção!
Kiera começou a escrever após uma tragédia na cidade em que morava, e por volta de 2009 lançou a história de “A Sereia”. Ela tem um canal no youtube onde faz interação com seus fãs, fala sobre o cotidiano, e sobre seus livros.

canva-photo-editor (29)
O livro conta a história de Kahlen, uma sereia que foi transformada por volta do século 30 e está presa em um tratado: 100 anos de devoção à Água.
Kahlen foi escolhida pela Água durante um ataque de suas “irmãs sereias” ao navio que estava com sua família, e que resultou em seu naufrágio.
Após este acontecimento a personagem se torna extremamente dedicada a sua causa, e a manter suas irmãs na linha, para que ninguém descubra o segredo das sereias.
Kahlen pouco se lembra de sua vida passada e de sua família biológica. Após 80 anos de devoção à Água ela sente como se fosse sua mãe, e as outras sereias suas irmãs.

Infelizmente Kahlen não sabe lidar com o fato de ser uma sereia e ter que ceifar vidas inocentes. Como em qualquer história de sereias, elas precisam matar humanos com suas vozes. Mas nesta história seria por um bem maior: para alimentar A Água.

A personagem de Kahlen claramente foi construída como a personagem de Bella em Crepúsculo: sem sal, e só dor – até encontrar o grande amor de sua vida.
Confesso que tenho um pouco de ódiozinho de histórias que gostam de vitimizar os personagens principais, e fazem disso um gancho para a história. Isso me decepcionou muito dentro da narrativa, e Kiera Cass pecou em judiar da personagem desse jeito.

Como Kahlen não sabe lidar com seus sentimentos e com o peso de seus atos, ela sempre esta lendo, procurando informações sobre sua espécie, ou coletando informações das pessoas que matou. Ela passa muito tempo em uma biblioteca próxima de sua residência, onde acaba conhecendo Akinli.
Diferente de outras pessoas que se aproximam de Kahlen e suas irmãs (por conta de sua beleza e mistério), Akinli tenta uma aproximação por curiosidade e real interesse na personagem principal.

canva-photo-editor (33)

A Sereia representa uma decepção considerável em minhas leituras atuais. Esperava muito mais da história, por mais breve que fosse.
Esperava mais fundo para as irmãs de Kahlen, como Padma teve, falando e dando destaque sobre a misoginia que sofria e também sobre a cultura dela. Esperava mais profundidade para a história da própria Kahlen, que falava sempre como sofria horrores com as mortes que causava, mas nunca detalhava nada para te chocar tanto quanto ela se sentia chocada. Parece que faltou emoção nas histórias contadas.
Senti falta de um desfecho com detalhes e emoção. Fiquei tão brava com o final dessa história, que quando terminei fui dividir minha indignação com amigos leitores! Eu esperava muito mais detalhes, e com certeza se Kiera tivesse pensado com um pouco mais de carinho no background da narrativa, seria possível uma continuação da história. Com certeza Kiera não precisaria nem falar sobre Kahlen na continuação, mas sobre a história da Água (que no final poderia ser um personagem incrivelmente interessante), e também o desfecho de suas irmãs. Renderia uma baita série!

Vejo como uma estréia de potencial, mas não vejo uma vontade de realmente contar história por parte da autora. Deixou vários pontos desconexos e o final foi bem previsível.
A história ainda consegue te prender mesmo sendo rasa. A leitura é simples, sem complexidade, e se você for devorador de livros assim como eu, consegue terminar o livro bem rápido (levei 1 semana por conta do trabalho e da vida social, rs). O livro tem 328 páginas com folhas amareladas e um acabamento de bom gosto.

Para a finalidade de uma leitura leve e sem complexidade, foi 100% de aproveitamento. Me deixou decepcionada, porém, curiosa para quem sabe uma continuação. Tenho que dar um leve desconto por ser o primeiro livro publicado da autora, mas confesso que não me deu o start para ler “A Seleção” daqui um tempo.

Gostou da resenha de A Sereia?
Não esquece de curtir, comentar, e fortalecer o trabalho da amiguinha! =)

E não me esquece nas redes-sociais! =]

Instagram: @lulisproject
Facebook: /lulisproject

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s