Resenha: Roverandom – J. R. R. Tolkien

Copy of Mitologia Nórdica
Sei que para alguns dispensa explicações de Tolkien – já que se trata de um dos autores mais conhecidos e renomados de todo o meio da literatura fantasiosa.

Porém, acho legal ressaltar as qualidades de um dos meus autores favoritos da vida!
Além de ser capricorniano como eu (rs), ele marcou o último século com suas publicações, e acabou entrando para a lista dos autores mais queridos pelo público que consome histórias de fantasia.

John Ronald Reuel Tolkien ficou conhecido mundialmente como J.R.R. Tolkien. Ele foi um grande e premiado escritor, professor universitário, filólogo (aquele que estuda cientificamente o desenvolvimento de uma língua ou de famílias de línguas), e participou efetivamente da primeira guerra mundial no ano de 1916.
Após a primeira guerra, Tolkien começou a desenvolver seus primeiros manuscritos que o levariam ao seu “mundo secundário”. Neste mundo foram desenvolvidos diversos títulos conhecidos como “O Senhor dos Anéis”, “Silmarillion”, e “O Hobbit”.
Graças a popularidade de seu trabalho, Tolkien ficou conhecido como o pai da literatura fantástica, rendendo até duas indicações para o prêmio Nobel de literatura.

canva-photo-editor (81)
Além dos títulos conhecidos por todo nerd e estudioso, Tolkien também desenvolveu a história de Roverandom, que vamos falar hoje! =)

Roverandom foi criada por uma nova faceta de Tolkien, uma história simples e profunda, que foi desenvolvida para seu filho Michael Tolkien.
Segundo a história por trás do título, em 1925, Michael Tolkien perdeu na praia um dos seus divertimentos favoritos: um cãozinho de brinquedo.
Tendo isso como fio, Tolkien quis distrair seu filho do trauma, e criou uma história sobre um cachorro de verdade, que é transformado em cachorro de brinquedo por um mago. Esse é só o início da história que também pinta a visita do cãozinho da Lua ao fundo do mar, descobrindo o mundo e seus sentimentos.

canva-photo-editor (78)
A história narra a vida de Rover após o trágico dia em que ele se perdeu de seu dono. Mas ela reserva uma narrativa bem mágica, com criaturas fantasiosas, lugares nunca antes imaginados, e algumas ilustrações bem bacanas para ajudar no imaginário de quem coloca as mãos na obra.

Eu particularmente me deliciei com a leitura que é simples (apesar da tradução não seguir a linha do português coloquial), mas não é rápido de ler. Exige muita imaginação e em alguns momentos eu parei a leitura para dar asas a imaginação.
Sabe aquele momento que você para e fica pensando com o livro na mão? Bem isso!

canva-photo-editor (76)
Acredito que esse título seja super indicado para criação de 8 / 10 anos. E em breve pretendo entregar meu exemplar para o meu sobrinho. ❤
Além de influenciar um pouquinho nos gostos dele, vira também um incentivo para a prática da leitura, que esta cada vez mais em falta nos jovens padawans por ai.

O exemplar que tenho é da editora Martins Fontes, possui uma capa super bonita com o dragão da história, pouco mais de 100 páginas com tom amarelado (algo bom, pois não cansa a vista, e pode ser lido em uma única vez), e conta com aproximadamente 5 ilustrações do próprio autor.
A edição de 2014 conta inclusive com dedicatória do título
à memória de Michael que faleceu em 1984.

canva-photo-editor (83)
Gostou da resenha de “Roverandom”?
Não esquece de curtir, comentar e fortalecer o trabalho da amiguinha! =)

Ficou com interesse na compra?
É só clicar no link abaixo:
Roverandom

E não me esquece nas redes-sociais! =]

Instagram: @lulisproject
Facebook: /lulisproject

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s